Vacinação contra o sarampo será intensificada a partir desta quarta no Alto Tietê
Foto: Romolo Tavani/Shutterstock.com

Vacinação contra o sarampo será intensificada a partir desta quarta no Alto Tietê

Ação é da Secretaria Estadual de Saúde, que pretende atualizar a carteira de crianças e jovens que ainda não estão imunizados. No Alto Tietê, em 2020 já foram registrados 22 casos em oito municípios, de acordo com dados das Secretarias Municipais de Saúde, enquanto no mesmo período do ano passado nenhum caso havia sido registrado.

Nesta quarta-feira (15) tem início uma intensificação da vacinação contra o sarampo no Estado de São Paulo, para atualizar a carteira de crianças e jovens que ainda não estão imunizados. A iniciativa é da Secretaria Estadual da Saúde.

No Alto Tietê, em 2020 já foram registrados 22 casos em oito municípios, de acordo com dados das Secretarias Municipais de Saúde, enquanto no mesmo período do ano passado nenhum caso havia sido registrado.

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba. Até 31 de agosto, as doses estarão disponíveis em todos os postos de vacinação do Estado de São Paulo e serão aplicadas em pessoas com idade entre 1 a 29 anos que ainda não tomaram as duas doses previstas no calendário nacional de imunização.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, os bebês com seis meses ou mais também devem receber a chamada “dose zero”, que não é contabilizada no calendário, mas é recomendada devido à circulação do vírus no território. Pessoas de 30 a 49 anos também podem se vacinar, caso haja necessidade. Por isso, é importante apresentar a carteira para um que um profissional de saúde avalie se é o caso de aplicar a dose.

“Seguindo todas as recomendações de prevenção à COVID-19, é de extrema importância o comparecimento nos postos para atualização da carteira vacinal. A vacina é a maior prevenção contra diversas doenças, inclusive o sarampo”, afirma a diretora de imunização, Nubia Araujo. É fundamental que as pessoas lembrem-se de evitar aglomerações e respeitar a organização dos serviços.

O calendário nacional de vacinação prevê a aplicação da tríplice aos 12 meses e também aos 15 meses para reforço da imunização com a tetraviral, que protege também contra varicela. Além disso, há a “dose zero” para os bebês com seis meses ou mais. As salas de vacinação estão orientadas a fazer triagem de crianças que tenham alergia à proteína lactoalbumina, presente no leite de vaca, para que estas recebam a dose feita sem esse componente.

O Programa Estadual de Imunização prevê que crianças e adultos, com idade entre um ano a 29 anos, devem ter duas doses da vacina contra o sarampo no calendário. Acima desta faixa, até 60 anos, é preciso ter uma dose. Não há indicação para pessoas com mais de 61 anos, pois esse público potencialmente teve contato com o vírus no passado, possuindo imunidade por toda a vida. Portanto, não há recomendação para este público na diretriz do Ministério da Saúde.

A secretaria destaca que a vacina é contraindicada para bebês com menos de seis meses, bem como para pessoas imunodeprimidas e gestantes. As pessoas que tiverem dúvidas quanto à imunização adequada devem procurar um posto, com a carteira vacinal em mãos, para que um profissional de saúde verifique a necessidade de atualização.

Balanços

O Centro de Vigilância Epidemiológica estadual realiza monitoramento contínuo da circulação de doenças. Em 2020, até 13 de julho, 83 cidades registraram casos de sarampo, totalizando 711 casos confirmados e um óbito, de uma criança na cidade de São Paulo. Em 2019, foram 17.676 casos e 14 mortes.

A imunização contra o sarampo faz parte da rotina dos postos. De janeiro até o momento, foram aplicadas 1 milhão de doses da vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola). A cobertura foi superior a 90% na última campanha.

A disponibilização de doses contra doenças, incluindo o sarampo, que circulam no território, é fundamental para garantir a imunização.

Com Informações: G1 Mogi das Cruzes e Suzano

Fechar Menu