Hospital Luzia passa a atender apenas urgência e emergência
Foto: Google Maps

Hospital Luzia passa a atender apenas urgência e emergência

Agora, o Hospital passa a funcionar com portas fechadas, recebendo, apenas, pacientes dos serviços de urgência, como Samu e Bombeiros, e os casos mais graves encaminhados pelos municípios.

O pronto-socorro do Hospital Estadual Luzia de Pinho Melo passou a atender apenas casos graves de urgência e emergência desde ontem (1º). A decisão do governo do Estado fecha as portas da unidade para atendimentos gerais em plena pandemia do coronavírus (Covid-19), o objetivo do fechamento é dar prioridade aos atendimentos de alta complexidade.
Decretado inicialmente para ocorrer em 15 de dezembro do ano passado, o referenciamento do pronto socorro do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo passou a vigorar nesta segunda-feira.
O adiamento do fechamento para atendimentos gerais teve como objetivo dar mais tempo tanto para a reorganização das redes de saúde e permitir que os pacientes se informem sobre quais serviços de saúde devem ser procurados em cada tipo de situação.
Agora, o Hospital passa a funcionar com portas fechadas, recebendo, apenas, pacientes dos serviços de urgência, como Samu e Bombeiros, e os casos mais graves encaminhados pelos municípios.
“Esta forma de atendimento referenciado é prevista pelo SUS para um hospital de alta complexidade, altamente equipado e capacitado para atender especialidades como oncologia, cardiologia e traumas, por exemplo. A medida foi definida em reunião de CIR (Comissão Intergestores Regional), com representantes das Secretarias Municipais de Saúde”, justificou a Secretaria de Estado da Saúde.
A decisão poderá implicar em um sobrecarregamento do sistema de saúde municipal e de cidades vizinhas, uma vez que, a nova orientação é de que os pacientes que dependiam do pronto socorro busquem atendimento nas outras unidades de saúde da região.
O Hospital, no entanto, deverá permanecer prestando atendimento normal aos pacientes vítimas da Covid-19. Referência regional para o tratamento do vírus, o espaço conta com 52 leitos de enfermaria e 24 de Unidade de terapia intensiva (UTI) para assistência aos moradores do Alto Tietê.
Desse total disponível, 22 leitos de UTI e 20 de enfermaria estava ocupados até ontem. A mudança movimentou as redes sociais.
Repercussão
O ex-secretário de Saúde Marcelo Cusátis, o Téo, chegou a se pronunciar afirmando que era o último final de semana que o Hospital Luzia de Pinho Melo iria funcionar aberto para a população. Agora só “referenciado”: “Tecnicamente correto ou não é o pior momento para diminuir serviços de saúde, ainda mais para as pessoas que dependem do SUS. Fase vermelha e região diminuindo acesso a saúde. Inacreditável”.
A reportagem do Mogi News tentou ouvir e repercutir o assunto com o secretário de Saúde, Henrique Naufel, mas ele estava numa reunião e não pôde atender a reportagem.
Pelas redes sociais muitos mogianos repercutiram a notícia e compartilharam a mudança, mas sem entender exatamente o que vai significar na prática esta nova alteração para atender pacientes no Luzia de Pinho Melo.
Com Informações: Portal News
Fechar Menu