Condemat mantém termo de intenção para adquirir Sputnik V
Foto: Vladmir Gerdo/Reuters

Condemat mantém termo de intenção para adquirir Sputnik V

O Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), informou nesta quinta-feira (29), que irá manter o protocolo de intenção de adquirir a vacina Sputinik V.

Nesta semana, a diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) rejeitou os pedidos de autorização da importação da vacina russa Sputnik V no Brasil, isso porque, o órgão alega que faltam dados técnicos sobre a segurança e eficácia do imunizante contra a Covid-19.
Em fevereiro, o Condemat havia assinado um Termo de Intenções para a aquisição de 300 mil doses da vacina. A expectativa era de que as doses fossem produzidas em Guarulhos, pela empresa Inovat, do Grupo União Química. Com a recusa da Anvisa, os planos da aquisição serão adiados, entretanto, o protocolo seguirá válido.
“O protocolo continua vigente, no entanto, a aquisição só será viabilizada mediante aprovação da Anvisa e disponibilidade da vacina”, explicou o Condemat através de sua assessoria.
Esse é o terceiro protocolo de intenção assinado pelo Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê. No início do ano, a entidade já havia assinado outro Termo de Intenções junto ao Instituto Butantan, para aquisição da CoronaVac. Além disso, a maioria dos municípios da região aderiram ao consórcio para aquisição de vacinas da Frente Nacional de Prefeitos (FNP).
Desde o início da pandemia, o Condemat atua nas intermediações entre os municípios para acelerar o processo de imunização e trazer mais efetividade no enfrentamento a Covid-19. De lá pra cá, a entidade já realizou diversas solicitações ao Governo do Estado e Federal, como a priorização de trabalhadores da educação e forças de segurança nos planos estadual e nacional de vacinação, – que foi atendida -, entre outras.
Avaliação
O Condemat avalia como positivo o processo de imunização que ocorre na região. De acordo com a entidade, a campanha de vacinação é muito importante e tem sido fundamental no enfrentamento à pandemia, principalmente nesta fase de retomada gradativa da economia. No entanto, o consórcio destacou o fato de novos grupos de imunização serem abertos, sem que os grupos anteriores sejam finalizados.
“Isso ocorreu com os trabalhadores da educação e hoje temos um déficit de 30% de pessoas deste grupo que não receberam a imunização. Algumas faixas etárias de idosos também não tiveram a cobertura de 100% do público. Além disso, o atraso e falta de informações do Governo do Estado aos municípios tem dificultado o planejamento e comunicação ao público-alvo”, explicou. Segundo o Condemat, atualmente os municípios recebem as informações sobre quantidade de vacinas a serem disponibilizadas e público-alvo com apenas um dia de antecedência da entrega dos lotes.
Com Informações: Diário de Suzano
Fechar Menu