Apeoesp prepara abaixo-assinado contra alteração de calendário de férias escolares
Foto: Internet

Apeoesp prepara abaixo-assinado contra alteração de calendário de férias escolares

Ana Lúcia Ferreira, representante de Suzano, afirma que isso não deveria ser prioridade nos planos do governo e que os professores não vão aceitar. “Existem outras coisas para serem resolvidas, como: melhorar a segurança e estrutura e repor a falta de materiais e merenda. Isso sim é primordial”, ressalta.

A mudança no calendário das férias escolares na rede estadual gera diferentes opiniões. Um abaixo-assinado, por parte dos professores da região e do Estado de São Paulo, está sendo feito e é contra a mudança proposta pelo governador João Doria (PSDB).
Uma assembleia foi realizada no MASP (Museu de Arte de São Paulo) com os professores das redes estaduais do Alto Tietê e região. Na ocasião, foi discutida a mudança no calendário escolar e a diretora executiva da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), Ana Lúcia Ferreira, representante de Suzano, afirma que isso não deveria ser prioridade nos planos do governo e que os professores não vão aceitar. “Existem outras coisas para serem resolvidas, como: melhorar a segurança e estrutura e repor a falta de materiais e merenda. Isso sim é primordial”, ressalta.
A diretora também comenta que muitos alunos foram procurá-la e diziam estar preocupados e reclamaram sobre o assunto. “O foco deve ser a aprendizagem. Depois que tudo de ruim for sanado, outras mudanças poderão ser estudadas. Mas, enquanto isso não acontece, outros problemas precisam ser discutidos e políticas novas desenvolvidas”, conta Ana Lúcia.
Por outro lado, Suami Paula de Azevedo, professor, historiador e ex diretor da Escola Estadual Dr. Morato de Oliveira, situada em Suzano, diz que a mudança será muito benéfica para os professores e alunos das escolas. “Suaviza a rotina tanto dos alunos quanto dos funcionários”, afirma. Ele conta que é necessário um planejamento da escola com a família, para que nada fique sem esclarecimentos. “O que mais importa para a gestão educacional é a formação dos alunos, por isso a conversa e a programação são essenciais”.
A MUDANÇA
O anúncio foi feito pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), na última sexta feira, 26 de abril, e a mudança entra em ação a partir de 2020 para os alunos e professores das escolas das redes estaduais de São Paulo.
A mudança não é obrigatória para as escolas particulares, contudo as que quiserem se adequar ao novo calendário também é permitido.
O que mais surpreendeu as pessoas foi a redução das férias no mês de julho, de 30 para 15 dias. No ano que vem, as escolas terão quatro períodos de férias: uma semana em abril, duas semanas em julho, uma semana em outubro e trinta dias entre dezembro e janeiro. São assegurados os 200 dias letivos previstos por lei.
Com Informações: Diário de Suzano
Fechar Menu