Supostos meteoritos encontrados em Suzano serão analisados na USP
Foto: Bruna Nascimento / Divulgação

Supostos meteoritos encontrados em Suzano serão analisados na USP

São mais de 30 pedras de tamanhos, cores e formatos diferentes. A reportagem enviou fotos por e-mail ao especialista

O geólogo do Museu de Geociências, localizado no Instituto Geociências (IGc) da USP, Ideval Souza Costa, analisará na próxima semana pedras, supostamente meteoritos, que foram encontradas há cerca de 20 dias, em Suzano, pelo segurança Marcos Rogério Benites Pereira. São mais de 30 pedras de tamanhos, cores e formatos diferentes.
A reportagem enviou fotos por e-mail ao especialista, que a princípio afirmou ter observado 18 pedras com possibilidade de ser um fragmento de corpo celeste.
Como encontrou?
Era uma tarde de pancada de chuva, quando Marcos despertou o interesse pela busca das pedras. Enquanto a chuva caia, ele disse que escutou barulhos semelhantes a fogos de artifício. Um ruído de algo subindo ou caindo e por fim um estouro. Desconfiado com essa possibilidade, ele começou a procurar por algo que seria “raro”.
Depois de alguns dias, ele achou as primeiras pedras na rua de casa, que é de terra batida e rodeada de um matagal, na Travessa Fábio José Santos, no Jardim Suzanópolis. Contudo, a busca continuou e mais pedras foram aparecendo na mesma rua e também no Parque Municipal Max Feffer. “A maioria foram achadas na rua de casa, mas também achei no Max Feffer. Sei que nem todas podem ser, mas tenho certeza de que algumas são meteoritos sim”, enfatizou o segurança.
Para ele, a convicção de que seja um meteorito é devido a pelo menos duas das pedras serem atraídas por imã. Além disso, o peso, a coloração e o formato delas são diferentes a pedras comuns. “Andei pesquisando os formatos e características de meteoritos e tudo indica que são. Algumas pedras têm coloração de queimado, carbono etc. Fiz testes que vi na internet que comprovam”.
Geólogo
Ideval Souza Costa informou que para se ter certeza do que se trata é preciso ter as pedras em mãos para realizar uma análise petrológica e alguns testes. A reportagem enviou 12 fotos por e-mail ao especialista, que analisando, disse que duas das fotos – com ao todo, 18 pedras amostra – mesmo desfocadas teriam a possibilidade de serem meteoritos. Por conta disso, a reportagem levará as pedras na terça-feira de manhã a São Paulo para que possam ser analisadas manualmente pelo geólogo.
Segundo ele, meteoritos são provenientes de um cinturão de asteróides situado entre os planetas Júpiter e Marte. Além disso, destacou os fatores que indicam ser um fragmento de corpo celeste são sua constituição química: muito peculiar, diferente de qualquer rocha encontrada na Terra. Ele informou que meteoritos podem cair em qualquer lugar.
Com Informações: Diário de Suzano
Fechar Menu