Obras na Marginal do Una e Mogi-Dutra terão novas licitações

Editais antigos, com valores desatualizados, foram revogados, diz DER.
Novos documentos devem ser formulados para o processo de licitação.

SUZANO

As obras de duplicação da Rodovia Mogi-Dutra, em Arujá, e a revitalização da Avenida Governador Mário Covas Junior, a Marginal do Una, em Suzano, terão novos editais para novos processos licitatórios. O Departamento de Estradas de Rodagens (DER) informou na manhã desta quarta-feira (11), que já revogou os dois editais que tratavam das obras, porque os valores contidos dos documentos precisam ser atualizados e, em breve, novas licitações serão abertas.

Marginal do Una
A revogação das obras de melhoria da Marginal do Una foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (10), informou o DER. Os motoristas de Suzano esperam há mais de dez anos a revitalização nos cerca de 2,4 quilômetros da via para desafogar o trânsito.

“O DER informa que revogou a licitação das obras pela necessidade de atualizar o valor proposto no edital descrito, publicado em 2014”.

O órgão informou ainda que o novo edital está em fase de elaboração e, assim que finalizado, será publicado para abrir o novo processo licitatório para as obras.

Mogi-Dutra
O mesmo motivo, segundo o DER, levou à revogação do edital 036/14-CO, da obra de duplicação do trecho de Arujá da Rodovia Mogi-Dutra, neste sábado (7).

O projeto elaborado para a via prevê a realização de serviços para duplicação da pista, do km 32 ao km 39, melhorias na sinalização, implantação de dois viadutos no km 32,3 e km 32,9. No trecho também serão implantadas passarelas no km 33,5, km 35,23, km 35,2, km 37,97 e km 38,8. O primeiro orçamento da obra, anunciado pelo governador Geraldo Alckmin em 25 de abril de 2014, era de R$ 149 milhões. As obras teriam início em junho de 2014.

A revogação foi necessária para que o preço da contratação seja igual ao orçamento apresentado pela empresa contratada, visto que os valores contidos no documento eram de 2014 e não batem com os orçamentos atuais. “O certame corre desde 2014 e a licitação estava na fase de análise dos preços”, por isso é necessário publicar outro edital com os valores atualizados do custo da obra.

O DER esclareceu ainda que as atualizações são necessárias para que o valor proposto no edital seja exatamente o valor do contrato com as empresas licitadas para, assim, o Tribunal de Contas do Estado não considar o processo como irregular.

Fonte: G1 Mogi das Cruzes e Suzano

Deixe uma resposta

Fechar Menu