Novos prefeitos têm desafio de retomar 28 obras em atraso
Centro de Convenções de Ferraz é uma das obras paradas apontadas no relatório do TCE Foto: Regiane Bento/DS

Novos prefeitos têm desafio de retomar 28 obras em atraso

Administradores iniciam gestões com desafio de dar andamento em obras paralisadas em suas cidades. De acordo com os dados divulgados pelo TCE, Suzano possui quatro obras de mobilidade urbana e infraestrutura em atraso. 

Os novos prefeitos das dez cidades do Alto Tietê iniciaram seus trabalhos com o desafio de cuidar de, pelo menos, 28 obras que estão atrasadas. Entre as cidades da região, Ferraz de Vasconcelos lidera o ranking com oito obras que não foram entregues. Dos 644 municípios fiscalizados pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP), mais da metade deles possuem pelo menos uma obra que apresenta comprometimento de execução contratual.
De acordo com os dados divulgados, Suzano possui quatro obras de mobilidade urbana e infraestrutura em atraso.
Entre os serviços contratados que ainda não foram concluídos no município, estão obras de mobilidade urbana como o recapeamento asfáltico e a construção de um novo pavimento na Avenida Francisco Marengo e na Avenida Washington Luiz. Além de obras de drenagem na Avenida 7 de Setembro e serviços de infraestrutura viária no Miguel Badra e no Jardim Planalto. Três das quatro obras foram paradas por descumprimento de especificações técnicas e prazos.
Ferraz de Vasconcelos lidera o ranking de obras em atraso entre as cidades da região consultadas.
São oito intervenções em equipamentos urbanos (como praças, quadras e similares), além de obras para construção de escolas, 187 moradias do Projeto Morar Bem II e uma unidade básica de saúde (UBS) – que seria construída no Jardim TV.
Compõe ainda a lista, as obras de reforma Câmara Municipal e do Centro de Convenções de Ferraz, essa, uma promessa de campanha da prefeita eleita Priscila Gambale (PSD), que espera entregar o projeto ainda em 2021.
Em Salesópolis são sete obras paralisadas que englobam reformas em praças, calçamento de ruas do centro da cidade, reforma de quadras polierportivas, pavimentação e troca de iluminação pública. Entre os serviços não entregues também constam a melhoria da sinalização turística e de trânsito.
Com cinco obras em espera, Itaquaquecetuba é a terceira cidade no ranking. A cidade possui três construções de Unidades Básicas de Saúde (UBS) que não foram concluídas, além de serviços de pavimentação e a construção do “Centro Dia”, para atender idosos.
Biritiba-Mirim e Salesópolis possuem cada uma, duas obras de pavimentação e drenagem atrasadas.
As cidades de Mogi das Cruzes, Poá, Santa Isabel e Guararema não constam nas buscas do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, onde os dados citados acima podem ser conferidos.
Com Informações: Diário de Suzano
Fechar Menu