Motoristas de ônibus de linhas municipais são atacados em Suzano
Foto: Sabrina Silva/Divulgação

Motoristas de ônibus de linhas municipais são atacados em Suzano

De acordo com a polícia, uma das vítimas foi atropelada e outra agredida por três homens

Dois motoristas de ônibus da Radial Transportes foram atacados em Suzano. Um deles foi atropelado e o outro agredido por três pessoas. Os suspeitos atuam no transporte alternativo da cidade. De acordo com a Polícia Civil, uma pessoa foi identificada e pode ser intimada a prestar depoimento nos próximos dias.

Os crimes teriam sido motivados devido a uma colisão no trânsito, ocorrida na terça-feira à tarde, dia 5. Um dos motoristas atacados teria batido na van do suspeito. No boletim, a vítima, de 41 anos, disse que a situação foi amena, pois, a Polícia Militar (PM) foi chamada e, deste modo, os dois veículos continuaram o trajeto normalmente.

Tanto a vítima quanto o suspeito se encontraram minutos depois, quando chegaram ao terminal rodoviário. Foi próximo ao local que os ataques foram realizados. Primeiro, o motorista do ônibus envolvido na batida foi atropelado e lançado por cerca de dois metros. O suspeito usou a própria van, inclusive reforçou as ameaças dizendo que “pena que não deu para matar ainda. Da próxima vez a gente resolve de outro jeito, e não envolve polícia”, referindo-se ao episódio da batida.

Os crimes foram presenciadas pelo segundo motorista, que tentou intervir separando-os. No entanto, foi agredido com socos e ameaçado de morte. Além do condutor do transporte alternativo, o cobrador e mais uma pessoa teria participado do ataque.

O grupo fugiu do local ao ver que uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e do Corpo de Bombeiros chegava à região. Ambos foram levados ao Pronto-Socorro (PS) Municipal e liberados.

Segundo a polícia, as vítimas também relataram terem descoberto que, por meio de mensagens no WhatsApp, o suspeito questionou uma fiscal se teria matado uma das vítimas. Com a negativa, ele reforçou que “na próxima o mataria”.

O registro da ocorrência foi acompanhado por um advogado da empresa. O caso segue sob investigação.

Com Informações: Diário de Suzano

Fechar Menu