Mortandade de peixes ocorre há mais de um ano em ‘rio’ de Suzano
Foto: Sabrina Silva/Divulgação

Mortandade de peixes ocorre há mais de um ano em ‘rio’ de Suzano

Cetesb vai investigar. Moradores demonstram preocupação e alegam que despejo irregular é feito no local

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) informou que vai realizar nova vistoria no córrego localizado na Rua Albert Fink, no Parque Maria Helena, que apresenta mortandade constante de peixes. O problema persiste há mais de um ano no local e vem preocupando os moradores. Muitos acreditam que a mortandade está sendo causada pela quantidade de esgoto e lixo que está sendo despejado de forma irregular no local.
A Cetesb informou que a agência Ambiental de Mogi das Cruzes, que cobre a região, não recebeu, recentemente, nenhuma reclamação ou denúncia sobre o problema. Porém, após a reportagem comprovar que há mortandade significativa de peixes, a companhia irá realizar mais uma avaliação técnica do local. A Cetesb ainda destacou que moradores podem denunciar o fato para que medidas necessárias sejam tomadas.
No local, era abundante a quantidade de peixes da espécie tilápia. No ambiente mais próximo ao Rio Tietê, onde o córrego é afluente, a concentração da peixes mortos e lixo acumulado é grande.
O auxiliar de distribuição Leandro Jacinto Dias, de 36 anos, lamenta a situação em que o córrego se encontra. Para ele, o despejo irregular de esgoto é a principal causa da mortandade dos peixes. “Esses peixes aparecem por aqui quando chove. Os que apareceram recentemente estão sem oxigênio, por isso estão na superfície. Dá dó de ver essa situação, isso é terrível para o meio ambiente. Além desses, existem uns maiores, outros menores e infelizmente todos vão morrer por causa do esgoto”, lamenta.
Ele também diz que o mau cheiro do local chega a ficar insuportável pela quantidade de carcaça que fica. “O cheiro é muito forte e com o calor, só se intensifica”, acrescenta.
A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) esclareceu em nota que não identificou nenhum ponto de extravasamento na rede de esgoto localizada no local e que também não recebeu nenhuma solicitação para conserto de possíveis vazamentos.
“O bairro citado já possui rede coletora e o esgoto coletado é devidamente encaminhado para a Estação de Tratamento de Esgoto de Suzano. É importante lembrar que a poluição difusa, gerada pelo descarte indevido de lixo e outros materiais no entorno do canal de drenagem, não é de responsabilidade da companhia”,informa.
“Sinceramente, não sei o que está causando a mortandade. O descarte irregular, infelizmente sempre existiu, mas ultimamente, muitos peixes têm morrido. Nunca vi o local tão cheio desse jeito, acho até que estão jogando veneno para matá-los”, opina o motorista Silvio Cordeiro, de 38 anos.
Já o pedreiro Zezito Alves, de 48 anos, acredita que alguma empresa esteja despejando resíduos no local, causando assim, a morte dos peixes. “Tem muito peixe morto por aqui e o cheiro está ficando muito forte”
Com Informações: Diário de Suzano
Fechar Menu