Moradores de Suzano reclamam de terreno com possível criadouro do Aedes aegypti; cidade lidera casos de dengue na região este ano
Imagem: Getty Images

Moradores de Suzano reclamam de terreno com possível criadouro do Aedes aegypti; cidade lidera casos de dengue na região este ano

Entre janeiro e abril, 37 casos da doença já foram registrados na cidade.

Um terreno utilizado para descarte irregular de lixo no Jardim Leymar, em Suzano, tem causado preocupação aos moradores da cidade que temem que o local seja também criadouro do mosquito Aedes aegypti. A cidade lidera os casos de dengue este ano na região, com 37 casos confirmados.

Os moradores do bairro dizem que no local tem muito mosquito. A dona de casa Silvana Bicudo começa a fechar as janelas cedo, para que os insetos não invadam a casa. “Compramos aqueles aparelhinhos para a gente colocar nas tomadas. São muitos mosquitos, muitos”, disse.

Quem mora na Rua Massaki Ueda passa o maior sufoco, por causa de um terreno supostamente abandonado. A casa do mecânico Anderson Ferreira fica bem de frente. Segundo ele, o lugar é da Prefeitura, mas já foi invadido e muitos dos mosquitos podem estar vindo de lá.

“Tem dois barracos lá no fundo que ninguém sabe como é que está isso aí. Os focos devem estar gigantes ali. Até para a gente que é morador aqui, até pensei em juntar meus irmãos e limpar aí, mas não dá, cara. Você gasta dinheiro, investe, adianta nada. O pessoal suja tudo de novo”, lamenta.

No terreno há lixo e entulho espalhados. Alguns podem até servir de criadouro para as larvas de mosquito.

Por falta de aviso ao município, não foi. A dona de casa Claudia Ferreira conta que já foi muito à Prefeitura.

“O problema aqui já tem cinco anos que a gente vai atrás e até agora ninguém resolveu nada. A única coisa que eles fazem: limpam uma parte e deixam o restante. Já tem uns seis meses que eles não limpam o terreno. Só está acumulando lixo, acumulando lixo”, conta.

Os 37 casos de dengue confirmados em Suzano são 15 a mais do que a cidade que vem em segundo lugar: Arujá, com 22 casos nos primeiros 4 meses deste ano. Mogi das Cruzes vem em seguida, com 11 casos positivos para dengue. Itaquaquecetuba tem 8 confirmações. Ferraz de Vasconcelos tem seis diagnósticos, Santa Isabel e Guararema registraram um caso, cada. Biritiba Mirim e Salesópolis não informaram os dados.

Sobre o terreno na Rua Massaki Ueda, a Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos de Suzano disse que faz ações para tentar evitar o descarte irregular de lixo e entulho, com coleta nos locais e que uma equipe vai até lá para ver as condições e tomar providências.

 

Orientação

O veterinário e coordenador do Centro de Controle de Zoonoses de Mogi, Jefferson Renan de Araújo Leite explica que qualquer recipiente desses que ficam com água podem servir de criadouro. “É importante a população tomar consciência de que esses materiais têm de ser descartados em locais indicados”, destaca.

Apesar do mosquito se envolver principalmente com água limpa, mas ele também pode se reproduzir em água contaminada.

Em Mogi, os agentes têm vistoriado os terrenos com possíveis criadouros. “Nossos fiscais têm vistoriado os terrenos abandonados. Em muitos casos a gente pode fazer a entrada forçada

Quem tiver alguma denúncia sobre dengue pode ligar no telefone 162.

Com Informações: G1 Mogi das Cruzes e Suzano

Fechar Menu