Mogi: Cinemas e teatros podem ser liberado na 2ª
Foto: O Diário

Mogi: Cinemas e teatros podem ser liberado na 2ª

O Comitê de Retomada Gradativa de Mogi das Cruzes pretende liberar o funcionamento de atividades como cinemas, teatros, eventos em buffets e atividades culturais (museus e galerias de arte) a partir desta segunda-feira

O Comitê de Retomada Gradativa de Mogi das Cruzes pretende liberar o funcionamento de atividades como cinemas, teatros, eventos em buffets e atividades culturais (museus e galerias de arte) a partir desta segunda-feira.
A informação foi passada à reportagem pelo presidente do comitê mogiano, o vice-prefeito Juliano Abe (MDB).
A autorização de retorno dessas atividades, após quase cinco meses paralisadas, está condicionada à manutenção da região na fase amarela do Plano São Paulo, ou da evolução para a fase verde. A nova atualização do programa de retomada gradativa, do governo do Estado, ocorre hoje (leia mais nesta página). Desde o dia 16 de março, tais atividades estão suspensas em Mogi das Cruzes e todo o Estado de São Paulo, devido à pandemia do novo coronavírus.
O Mogi Shopping ainda não se posicionou oficialmente sobre a reabertura do cinema e preferiu esperar uma confirmação do governo do Estado e da Prefeitura de Mogi.
“Caso Mogi das Cruzes e região sejam mantidas na fase amarela do Plano São Paulo, a retomada dessas atividades se dará à partir da segunda-feira, mediante publicação de um decreto do prefeito Marcus Melo (PSDB)”, explicou.
Ontem, o prefeito de Mogi decretou a ampliação do horário de funcionamento para até as 22 horas do setor de bares, restaurantes
O governo do Estado autorizou no mês passado a reabertura de cinemas e outros eventos culturais para as regiões que permanecerem por 28 dias consecutivos na fase amarela do Plano São Paulo. Mogi das Cruzes atenderá a esse requisito nesta segunda-feira, caso continue na atual fase, o que será definido hoje pelo governo estadual. No final de julho, a capital teve a liberação para retorno destas atividades, entretanto, a Prefeitura de São Paulo não permitiu a abertura do setor, por entender que a pandemia ainda não estava controlada.
A decisão de retorno foi amplamente discutida na última quarta-feira, quando o Comitê de Retomada Gradativa esteve em reunião com empresários representantes dos segmentos culturais. O encontro entre membros do comitê e empresários do setor serviu para confirmar a expectativa de que há uma divisão de anseios, dentro da própria categoria, em retornar com as atividades presenciais, visto que parte do setor não julga rentável retornar com público limitado a 40% da ocupação total, como determina o Plano São Paulo.  “A reunião foi muito produtiva e, de fato, os empresários estão divididos em relação à retomada”, explicou o vice-prefeito.
Categoria
“Na atual situação eu não pretendo retornar com a realização das festas. Com as restrições impostas fica muito difícil, principalmente com o público infantil”. Essa é a análise da proprietária de buffets, Patricia Sarno Mendes, que resume o sentimento de boa parte da categoria, que não anseia retornar tão breve. “Para a realização das festas, eu dependo da mesma coisa que o governo do Estado: a diminuição da doença para que a gente se sinta seguro para trabalhar”, pontuou.
Situação semelhante a do ator e produtor cultural, Kainan Ferraz. Segundo ele, que tinha duas apresentações agendadas para o Theatro Vasques, não há previsão para a realização de espetáculos neste ano, também devido às restrições. “Se com bilheteria total já era difícil para ter lucro, imagine agora? Acho que não valeria a pena. Dificilmente as pessoas entrariam em um teatro para assistir uma peça neste momento”, projetou o ator.
Com Informações: Portal News
Fechar Menu