ITAQUÁ – 459 anos: sem nada para comemorar, cidade sofre com o decepcionante governo Mamoru
Foto: Reprodução

ITAQUÁ – 459 anos: sem nada para comemorar, cidade sofre com o decepcionante governo Mamoru

Festas anuais de programação rasa não encobrem a ineficácia do governo atual, que se encontra em seus últimos momentos sem ter apresentado algo concreto do prometido

Conviver com comemorações medíocres nos aniversários da cidade não chega a ser uma surpresa para quem vive em Itaquaquecetuba, mas neste ano em que o município celebra seus 459 anos de fundação (oficialmente ‘comemorado’ em 8 de setembro), o povo de Itaquá (mais de 350 mil habitantes) volta a sofrer com a medíocre programação de aniversário da cidade promovida pela prefeitura.

E sofre mais ainda pelo fato de o governo do prefeito Mamoru Nakashima estar caminhando para a sua reta final, sem entregar/apresentar nada do que foi prometido lá em 2013 – ano em que Mamoru assumiu o comando da prefeitura de Itaquá depois de vencer (de forma surpreendente) nas urnas o grupo político do ex-prefeito Armando da Farmácia, que naquela disputa foi representado pelo jovem advogado (candidato a prefeito) Rogério Tarento. No primeiro mandato (2013 a 2016) Mamoru conseguiu convencer a população e praticamente toda a imprensa de que precisava ‘colocar’ a prefeitura em ordem e preparar os investimentos de que a cidade precisava. Tanto é que foi reeleito no primeiro turno.

Nos últimos 30 meses (segundo mandato), Mamoru continuou com o discurso afiado, mas a falta de resultados da gestão e a pressão da oposição (cidade já tem vários pré-candidatos para a eleição municipal em 2020) fez desmoronar o castelo de areia (falsas promessas) erguido por Mamoru desde 2013. A inauguração de uma creche, Marcha Para Jesus, exposição de antigos e mais algumas atividades esportivas e culturais fazem parte da programação do mês de aniversário da cidade. E, ao que tudo indica, setembro chegará ao final sem que Mamoru e seus assessores apresentem um balanço sobre projetos e obras (duplicação da estrada de Santa Isabel, inauguração da Delegacia da Mulher, investimentos de R$ 70 milhões com recursos de um adiantamento da Sabesp à prefeitura, concorrência e melhoria do transporte coletivo na cidade) que poderiam melhorar a qualidade de vida da população na cidade.

Alguns poucos técnicos que ainda restam na prefeitura de Itaquá afirmam que em nenhum momento (nos últimos seis anos e meio) o governo Mamoru trabalhou para tirar Itaquá da condição de cidade periférica e dormitório. Itaquá, no mês em que comemora 459 anos, continua sendo uma terra arrasada, onde a maior parte de seus moradores tem vergonha da cidade. Nos próximos dias, em homenagem ao povo de Itaquá, vamos apresentar uma série de reportagens denunciando os maiores problemas da cidade e a falta de coragem/competência ou vontade do atual governo em enfrentar e resolver esses problemas.

Com informações: Jornalista Bras Santos – freelancer para a Rádio SAT

Fechar Menu