FERRAZ – Vereador nega compra de votos para o Conselho Tutelar: “entreguei cigarros e isqueiro ao meu irmão”
Foto: Câmara Municipal de Ferraz de vasconcelos

FERRAZ – Vereador nega compra de votos para o Conselho Tutelar: “entreguei cigarros e isqueiro ao meu irmão”

Claudio Ramos, vereador pelo PT em Ferraz de Vasconcelos e possível pré-candidato do partido à eleição à prefeitura em 2020, negou categoricamente nessa segunda-feira (7) à reportagem da Rádio SAT qualquer envolvimento nas irregularidades que resultaram na suspensão da eleição dos integrantes do Conselho Tutelar da cidade – que deveria ter acontecido neste domingo.

Claudio Ramos aparece em uma imagem publicada no site G1 (de camisa vermelha e branca) aparentemente dando alguma coisa para alguém: “Sou eu mesmo que aparece na foto, mas o que estou dando é um maço de cigarros e um isqueiro para o meu irmão. É um absurdo alguém achar que com o trabalho e a história que tenho na política de Ferraz me envolveria com compra de votos ou qualquer irregularidade na eleição para o Conselho Tutelar. Isso é fake news. Quem fez essas imagens e passou para frente informações falsas sobre o meu nome, deve ter interesse na eleição do ano que vem pois apareço bem nas pesquisas para a reeleição na Câmara e até para a prefeitura. Estou avaliando a possibilidade de denunciar  essa falsa denuncia para a Justiça,  mas se fizer isso vou acabar dando palanque (publicidade) para vagabundos que querem aparecer prejudicando o meu nome e a minha história”, disse o vereador petista.

Ramos observou que no domingo esteve na escola estadual Carlindo Reis, onde foi filmado, para votar na eleição do conselho tutelar na condição de um simples cidadão e não na condição de vereador. A unidade de ensino era um dos locais definidos para a votação, antes de a eleição ser cancelada.

De acordo com o vereador, a eleição foi suspensa por diversos problemas, mas principalmente por falhas na organização e nos equipamentos que foram instalados para a votação por uma empresa contratada pelo Conselho Municipal dos Direitos das Crianças e Adolescentes (CMDCA). 

Segundo a presidente do conselho, Cintia Casanova Kehr, a suspensão ocorreu em razão de problemas técnicos nos equipamentos da empresa contratada para a votação e a denúncias de crimes eleitorais. Em entrevista ao site G1, a presidente informou que, durante toda a manhã de domingo, integrantes do conselho receberam inúmeras denúncias de crimes eleitorais, como transporte ilegal de eleitores, compras de votos e boca de urna. Diante das denúncias, os membros do conselho decidiram, de forma unânime, suspender o processo eleitoral e agendar a nova data para as eleições.

A eleição foi remarcada para o dia 27 de outubro. A presidente do conselho informou ainda que a comissão municipal vai pedir a abertura de procedimento administrativo para apurar a responsabilidade e eventuais aplicações de penalidades conforme determina a legislação vigente.

Com informações: Jornalista Bras Santos – freelancer para a Rádio SAT (com dados do G1)

Fechar Menu