Embalagens de agrotóxicos serão recolhidas em Suzano
Foto: Portal News

Embalagens de agrotóxicos serão recolhidas em Suzano

Agricultores do município poderão fazer o descarte na Associação Fukuhaku e também assistir a palestras

O Departamento de Agricultura de Suzano irá realizar na próxima quarta-feira mais uma edição do recebimento itinerante de embalagens vazias e limpas de agrotóxicos. Trata-se de uma ação que colabora com a comunidade agrícola e presta o serviço de coleta e destinação, de forma gratuita, de acordo com a legislação ambiental (lei federal nº 9.974/2000). Será das 8 às 12 horas, na Associação Cultural Fukuhaku (estrada Keida Harada, 21 – Vila Ipelândia).
A iniciativa da Prefeitura de Suzano é realizada em parceria com a Associação dos Distribuidores de Insumos Agrícolas do Estado de São Paulo (Adiaesp) e conta com o apoio do Sindicato Rural de Suzano. A previsão é de que mais de 80 produtores participem. No ano passado, houve a presença de 74 agricultores. Na oportunidade, os produtores rurais de Suzano poderão dispensar embalagens vazias e limpas de agrotóxicos. No local, representantes da Adiaesp estarão responsáveis por coletar, identificar, separar e armazenar corretamente os itens. Tudo o que for recolhido será transportado até a central de recebimento da entidade, localizada em Biritiba Mirim. Ao município cabe garantir a infraestrutura necessária e o transporte das embalagens recebidas.
Além disso, segundo o diretor do Departamento de Agricultura, Minoru Harada, os participantes poderão assistir a palestras temáticas promovidas pelo setor e também pela Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS) e pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), ambas repartições da Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento. As apresentações serão sobre Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave) e Boas Práticas na Agricultura no
Uso dos Agrotóxicos, que trazem as normas existentes para o uso do produto e os deveres do agricultor em relação a isso para que não haja contaminação ao consumidor final.
Outra palestra prevista é a de Rastreabilidade, que vai explicar que a lei exige ainda o histórico do lote de plantação de cada canteiro, ou seja, o registro do caminho do produto desde a sua semeadura até o balcão de negócios.
“Além disso, também será abordado no evento sobre a importância do processo de legalização da documentação do agricultor familiar. Isso vai permitir que ele faça financiamento, realize compras e se torne fornecedor de órgãos públicos, por exemplo”, concluiu Harada.
Com Informações: Portal News
Fechar Menu