Editora Abril decide encerrar dez publicações

Estima-se que pelo menos 500 funcionários, sendo 170 jornalistas, seriam demitidos

O Grupo Abril anunciou nesta segunda-feira que deixará de publicar uma série de revistas para tentar garantir a “saúde operacional” da empresa. A reestruturação do portfólio de publicações da editora fará com que títulos como Veja Rio, Boa Forma, Casa Claudia, Cosmopolitan e Elle deixem de circular. A decisão foi anunciada duas semanas após a saída da família Civita da direção do Grupo, que passou a ser administrado por uma consultoria especializada em reformulação financeira e operacional de empresas.

Estima-se que pelo menos 500 funcionários, sendo 170 jornalistas, seriam demitidos. A empresa não confirmou o número de demissões nem o número exato de publicações que deixarão de circular, mas serão ao menos dez títulos.

Em comunicado enviado aos funcionários, a direção do Grupo informou que o processo de revisão do portfólio tornou-se “obrigatório, dentro das circunstâncias impostas por uma economia e um mercado substancialmente menores do que os que trouxeram a Abril até aqui”.

15 títulos permanecem

No comunicado, a direção do grupo editoral afirmou que vai concentrar “seus recursos humanos e técnicos em suas marcas líderes”: Veja, Veja SP, Exame, Quatro Rodas, Claudia, Saúde, Superinteressante, Viagem e Turismo, Você S/A, Você RH, Guia do Estudante, Capricho, Mdemulher, VIP e Placar.

Mudança de comando

No comunicado enviado há duas semanas para os funcionários, Giancarlo Civita, que era o presidente executivo do Grupo, disse que a mudança de comando permitiria que a Abril passasse a ter uma gestão profissionalizada. A família Civita continua no controle da Abril, com sua posição acionária inalterada.

Em junho, o grupo já havia informado que deixaria de publicar os quadrinhos da Disney, que há 68 anos estavam com a editora.

No balanço divulgado no fim de abril, o grupo informou ter registrado, no ano passado, prejuízo consolidado de R$ 331,6 milhões, uma perda 140% maior do que a apurada em 2016.

A receita líquida do grupo acumulou no ano passado R$ 977,7 milhões, queda de 1,96% na comparação com o ano anterior. As despesas consolidadas, por sua vez, somaram R$ 1,14 bilhão, um recuo de 8,37%. Esse desempenho reflete, segundo a própria empresa, a redução na estrutura operacional da companhia.

A Abril passou a renegociar prazos de pagamentos com fornecedores. No fim de 2017, a empresa somava dívidas de R$ 177,7 milhões com fornecedores nacionais e R$ 26,8 milhões com estrangeiros. Somadas a outras contas, como aluguéis a pagar, o total de débitos chegava a R$ 415,6 milhões.

Com Informações: O Globo

Fechar Menu