DAEE estuda desassorear trecho do Tietê em Suzano no 2º semestre

DAEE foi autorizado a elaborar uma nova frente de desassoreamento do Rio Tietê em Suzano e Itaquá

O Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) estuda iniciar o desassoreamento do trecho do Rio Tietê em Suzano no segundo semestre deste ano. A informação foi repassada pelo gerente de engenharia do DAEE, Silvio Luiz Giudice, durante uma palestra realizada na Câmara de Itaquaquecetuba, na manhã de hoje (17). O vereador suzanense, Marcos Antonio dos Santos (PTB), o Maizena Dunga Vans, acompanhou a ação, que foi resultado de um pleito da vereadora de Itaquá, Adriana Aparecida Felix (PSDB), a Adriana do Hospital.

Giudice revelou que mesmo o governo estadual “passando por dificuldade financeira” o DAEE foi autorizado a elaborar uma nova frente de desassoreamento do Rio Tietê em Suzano e Itaquá. “Em Itaquá vamos começar a escavar o rio no final do mês de abril. Estamos, agora, na etapa de ‘bota-espera’ (instalação de pontos de apoio estratégico para o transbordo do material)”, explicou.

O representante do DAEE também explicou que o “lote 4” (que abrange a região metropolitana de São Paulo) da operação de desassoreamento do Rio Tietê trabalha de Mogi das Cruzes até a divisa de Itaquá com São Paulo. Ao todo, serão investidos R$ 37,7 milhões neste serviço de manutenção que limpará 44,2 quilômetros do rio.

Reunião

Na primeira semana de abril, a Câmara de Suzano, sob coordenação do vereador Maizena, sediará uma reunião entre o DAEE, Legislativo e Executivo, para definir detalhes da ação que será feita na cidade. “Faço questão de acompanhar esse assunto de perto porque o meu bairro, Miguel Badra, é muito afetado pelas fortes chuvas. Além disso, Suzano inteira vem sofrendo com isso e precisamos chegar a uma solução”, argumentou o parlamentar. Maizena também informou que solicitará apoio aos deputados estaduais que representam o Alto Tietê. “Toda ajuda é aceita. Temos que nos unir para o bem da nossa cidade”, disse.

Com Informações: Portal da Câmara

Foto: Ricardo Bittner

Deixe uma resposta

Fechar Menu