CPTM: Esboço de passarela deve ser entregue em menos de 30 dias

Ideia de desapropriar área em ruas próximas da estação de trem foi descartada ontem de manhã pela empresa

Em até 30 dias, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) deve apresentar à Prefeitura de Suzano o esboço do projeto de construção da passarela que ligará a rua Benjamin Constant com a avenida Major Pinheiro Fróes. A expectativa é que, se aprovada, as obras para construção da estrutura sejam iniciadas ainda nesse ano. As informações foram divulgadas durante vistoria realizada pelo deputado estadual Estevam Galvão (DEM), o secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego André Loducca e representantes da CPTM.
 
De acordo com o diretor de planejamento e projetos da CPTM, Ivan Regina, ainda será necessário realizar um estudo técnico para verificar a viabilidade da construção da passarela. Ele informou que no prazo entre 15 e 30 dias entregará um esboço para a administração municipal.
 
A ideia é implantar a estrutura no local que abriga a antiga passarela, que será demolida. A nova construção será feita nos moldes da passarela de pedestres construída em frente à estação. Pela sugestão apresentada, o acesso sairá da calçada da rua Doutor Prudente de Moraes e terminará em frente ao Centro Popular de Compras, na avenida Major Pinheiro Fróes.
 
A ideia de desapropriar uma área na esquina entre as ruas Doutor Prudente de Moraes e Benjamin Constant foi abandonada pela inviabilidade orçamentária. Pelo projeto apresentado pela CPTM, a nova passarela será feita de aço e vidro. Ela contará ainda com um elevador, cuja manutenção será feita pela prefeitura. Durante o encontro, Loducca solicitou a CPTM que o projeto seja de uma estrutura modular, que no futuro possibilite sua extensão.
 
Ainda não existe uma estimativa de preço para a construção da nova passarela. No entanto, de acordo com o deputado Estevam Galvão, o montante para a contratação do projeto executivo e abertura de licitação da obra já está garantido pelo governo estadual. Apenas o projeto executivo deve consumir R$ 100 mil.
 
Para Estevam, não apenas os comerciantes da área serão beneficiados, mas os moradores de diversos bairros. “A ideia é que o projeto e a construção da passarela ocorram ainda nesse ano. A viabilidade existe, só precisa da decisão da CPTM e da prefeitura. Toda a população do Parque Maria Helena, Vila Maluf e Jardim Maria Helenice poderão se locomover”, acrescentou.
 
Regina esclareceu que o projeto da nova passarela já está sendo pensando pela companhia. “Existem normas hoje em dia sobre a inclinação da passarela, se faço de forma abrupta, um cadeirante não passa, por exemplo. A ideia apresentada foi aceita e agora precisamos saber se tecnicamente ela é viável. Assim que o projeto estiver pronto apresentaremos para a prefeitura e daremos sequência no processo”, disse.
 
Segundo Loducca, a prefeitura vai se responsabilizar pela manutenção do elevador da passarela. “Com a estrutura vamos otimizar o trabalho do comércio. O projeto inicial era realmente atravessar a (rua) Prudente de Moraes, mas não temos condição de fazer isso”, afirmou.
 

Comerciantes comemoram o projeto para nova passarela

Comerciantes que acompanharam a vistoria do local que deve receber a nova passarela comemoraram a disposição da CPTM de tirar o projeto do papel. De acordo com eles, desde que a estação mudou de local e a antiga passarela foi desativada, os lojistas sentiram 70% de queda nas vendas.

Para o presidente da Associação Comercial e Empresarial de Suzano (ACE), Neder Romanos, o comércio será beneficiado pela construção da estrutura. “Não dá para mensurar o tamanho do prejuízo tanto para quem está do lado da Benjamin Constant quanto do Parque Maria Helena”, avaliou.
 
O comerciante Flavio Henrique Nunes aposta na construção da passarela para retomar as vendas. “Tenho a revistaria há mais de 65 anos, é um negócio de família. É complicado, temos batalhado todos os dias tentando manter a empresa e honrar os compromissos, mas uma queda de 70% no movimento, além de todo esse problema que já temos, estamos com a corda no pescoço. Se não concretizar essa passarela, que estamos lutando há um ano, vai ser muito difícil para os comércios locais”.
 
O comerciante Jonis Marinho espera que a passarela seja construída nesse ano. “Fiquei feliz com a novidade. Tenho a bomboniere há 30 anos e tivemos uma grande queda”, reforçou.
 
Com Informações: Portal News
Foto:  Erick Paiatto

Deixe uma resposta

Fechar Menu