Coronavírus retira patrocínio e dinheiro de TV do futebol
Foto: Reprodução

Coronavírus retira patrocínio e dinheiro de TV do futebol

Patrocinadores têm cancelado ou suspendido acordos e TV Globo decide congelar o pagamento das cotas de TV até que as partidas voltem

O avanço do novo coronavírus (covid-19) em todo o mundo deve gerar uma crise financeira sem precedentes para os clubes de futebol, principalmente no Brasil. Além da falta de bilheteria nos jogos, outras importantes fontes de renda parecem secar até mais rápido do que se podia imaginar. Patrocinadores e a TV Globo colocaram o pé no freio em relação aos investimentos no esporte e os clubes se preparam para viver uma nova realidade financeira.

Sem transmissão de jogos e exibição de suas marcas na TV, algumas empresas estão deixando os clubes ou revendo contratos. Um caso que demonstra bem isso é a relação do Azeite Royal com os times cariocas. A empresa patrocinava os quatro principais clubes do Estado (Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco). A crise chegou e o foco de investimento mudou.

A empresa justificou, em nota, que concentra suas ações no abastecimentos de redes de supermercados parceiras, dando a entender que os clubes não são prioridades no momento. A parceria da marca com o Flamengo, em 2020, renderia cerca de R$ 3 milhões e os demais times receberiam valores próximos de R$ 1,5 milhão.

“O momento atual traz oportunidade a clubes e atletas com a produção de conteúdo para engajamento ainda maior de torcedores e fãs, além da possibilidade de realizar diversas ações em prol do combate à covid-19 e relacionadas ao terceiro setor”, disse Fábio Wolff, sócio-diretor da Wolff Sports & Marketing, uma das agências que mais fecha contrato de patrocínio com os clubes.

O futebol paulista também sofre com a crise desencadeada pela pandemia. A Marjosports, startup de tecnologia voltada para apostas esportivas, suspendeu seu contrato com o Corinthians, devido ao impacto que a paralisação do futebol provocou na empresa, que atua no ramo esportivo. No Santos, a Autoridade de Turismo da Tailândia (TAT), que patrocinava as categorias de base da Vila Belmiro, suspendeu seu contrato com a equipe, tendo em vista que o setor de turismo é um dos mais afetados pela covid-19.

Em contrapartida, Palmeiras e São Paulo não apresentaram, por enquanto, suspensões ou rescisões com suas patrocinadoras. A Crefisa, empresa parceira do time alviverde e que paga o maior patrocínio do futebol brasileiro – cerca de R$ 81 milhões – já admite que pode rever o contrato e fazer alterações nos valores.

Outra importante fonte de renda vem da televisão. A TV Globo decidiu suspender o pagamento dos direitos de transmissão dos campeonatos estaduais por tempo indeterminado, para lamentação dos grandes clubes e desespero dos pequenos. “Para nós, a cota de TV representa 85% da nossa receita”, contou um dirigente de um time do interior, que pediu para não ser identificado.

“Ocorre que as pessoas amam o esporte e esse período de ausência dos eventos fará com que a audiência seja ainda maior. E quando for novamente possível, com grande presença dos torcedores nos estádios e arenas. Todos estão sentindo falta de esportes, do futebol. Isso fará com que parte das perdas sejam compensadas”, analisou Wolff.

Com Informações: Terra

 

Fechar Menu