Cantora de MT processa Cristiano Araújo e pede R$ 2 milhões por suposto plágio de canção

A música objeto da ação é “Vai Doer” que pode ser ouvida logo abaixo

cristiano

A cantora de Lucas do Rio Verde, Adriana Darold, ingressou com ação solicitando R$ 2 milhões em indenização por danos morais e materiais contra o falecido cantor sertanejo Cristiano Araújo. Ela o acusa de plágio. A ação foi aberta em 23 de setembro na Oitava Vara Cível, do juiz Yale Sabo Mendes.

Além do espólio de Cristiano Araújo, figuram no polo passivo da ação os cantores Gabriel Agra e Danilo Dávilla e o produtor musical Eduardo Borges.

Antes de iniciar o processo de instrução e julgamento, a cantora terá 15 dias para comprovar que não possui condições financeiras para arcar com as custas processuais e por isso precisará da Justiça Gratuita.

De acordo com a inicial, obtida pelo site Ponto na Curva, a cantora e compositora é conhecida nos programas de rádio e televisão locais e que no seu ramo é comum compor músicas e enviá-las a vários produtores musicais no intuito de vendê-las a algum interprete conhecido, auferindo lucro com sua reprodução.

Narra que em setembro de 2014, enviou por e-mail cópia de música de sua autoria registrada com o nome “Vai Doer” a Eduardo Borges, então produtor do cantor Cristiano Araújo.

Em junho de 2015, a cantora ao assistir o programa Fantástico, da Rede Globo, se deparou com a divulgação de um tributo feito ao cantor falecido no qual a empresa que o representa divulgou músicas até então inéditas, gravadas pouco antes de seu falecimento. Houve ainda a divulgação do lançamento futuro de um novo CD, com as novas músicas, incluindo “Vai Doer”.

Afirma a requerente. “Ao assistir o clipe e ouvir a música no referido programa televisivo, a autora ficou espantada. Além de nome idêntico (Vai Doer), notou que vários trechos de sua melodia foram copiados. Introdução e refrão são idênticos, apesar de a letra ter sido alterada. Após a exibição do programa, a autora teve a certeza de que era vítima de plágio. Isso porque, como relatado, em 2014 havia enviado a música ao então produtor (Eduardo Borges) do falecido cantor Cristiano Araújo, que a época não havia demonstrado interesse”.

Ainda na inicial, a cantora luverdense argumenta que a empresa JB Assessoria, que tem como sócio o pai de Cristiano Araújo, tem auferido lucro milionário com a divulgação e reprodução da música, tendo ela nada recebido.

A cantora destaca em seguida que ao externar sua indignação nas redes sociais, logo após a reportagem no programa Fantástico, sofreu agressões e ameaças dos fãs de Cristiano Araújo. O seu perfil no Facebook foi invadido e várias mensagens de ódio foram postadas a ela, o que gerou um transtorno e a jovem teve que se ausentar da mídia até que tudo acabasse.

Ao pesquisar sobre a canção atribuída a ela, a cantora descobriu que a dupla “Gabriel Agra e Danilo Dávilla” assumiu a autoria da composição “Vai Doer” em sites de música e nas redes sociais, embora haja relatos de que a música tenha sido encomendada por Cristino Araújo.

Ainda de acordo com a peça obtida por Ponto na Curva, esta não é primeira que a cantora se declara vítima de plágio. Em Goiânia, uma ação tramita na Nona Vara Cível e tem no polo passivo a dupla “Bruno Camacho e Fabiano”, por supostamente gravarem uma canção de sua autoria sem autorização.

Dessa forma, a defesa de Adriana Darold requereu em sede de liminar a suspensão da veiculação da música “Vai Doer” em todas as mídias, incluindo internet, sob multa de R$ 10 mil se constatado o descumprimento da decisão. No mérito, pede indenização de R$ 2 milhões além do registro de autoria da melodia, bem como de trechos da letra, em seu nome.

Fonte: Olhar Jurídico

Deixe uma resposta

Fechar Menu