Bolsonaro diz que é ‘farsa’ metodologia do IBGE para calcular desemprego

Bolsonaro diz que é ‘farsa’ metodologia do IBGE para calcular desemprego

O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que vai mudar a fórmula de cálculo do desemprego do IBGE pois, de acordo com ele, a maneira como é feito “é uma farsa”. Ao apontar como deveria ser feito o cálculo, Bolsonaro demonstra desconhecimento e propõe mudanças que já acontecem.

“Vou querer que a metodologia para dar o número de desempregados seja alterada no Brasil. O que está aí é uma farsa. Quem recebe Bolsa Família é tido como empregado, quem não procura há mais de um ano é tido como empregado, quem recebe seguro-desemprego é tido como empregado. Nós temos que ter uma taxa não de desempregados, mas uma taxa de empregados no Brasil.”

O presidente do IBGE, de 1994 a 1999, Simon Schwartzman, afirma que os critérios citados na declaração de Bolsonaro para definir quem está empregado não condizem com os usados na estatística oficial:

“Ele (Bolsonaro) está mal informado. É legítimo o governo levantar a questão, questionar, solicitar estudos, pedir ao instituto que examine sua metodologia e pedir uma proposta de revisão, que deve vir do próprio IBGE. O que não pode é vir uma determinação de cima, impondo como deve ser. Isso tem como consequência a desmoralização e uma descrença nos dados.”

De acordo com a jornalista Miriam Leitão, “não é verdade que quem recebe Bolsa Família é tido como ‘empregado’. O conceito é mundial, recomendado pela Organização Internacional do Trabalho. É considerado desempregado quem procura por uma ocupação e não a encontra. A pessoa pode receber o Bolsa Família e estar a procura de um trabalho. O mesmo vale para quem recebe o seguro-desemprego. Já a pessoa que desistiu de procurar realmente não conta como desempregada, mas o IBGE calcula também o tamanho desse grupo. Ela passa para a estatística como desalentada. Atualmente são 4,8 milhões de pessoas nessa situação, um número recorde. O IBGE também já calcula uma ‘taxa de empregados’. Entre as pessoas em idade de trabalhar, 54,4% estavam ocupadas no terceiro trimestre, mesmo nível de um ano antes”, escreveu.

Um economista entrevistado pelo Globo que trabalha com as estatísticas produzidas pelo IBGE explica que em nenhum momento a instituição correu o risco de sofrer interferência.

“O IBGE foi criado em 1936, passou pelo Estado Novo e pelo Regime Militar sem nunca ter sofrido qualquer tipo de interferência de um presidente”, disse o economista, que preferiu não se identificar.

Com Informações: Fórum

Fechar Menu