Ashiuchi propõe medidas de segurança e presença de policiais da reserva nas escolas
Foto: Diário de Suzano

Ashiuchi propõe medidas de segurança e presença de policiais da reserva nas escolas

Prefeito esteve na manhã desta quinta-feira (14) no velório coletivo das vítimas. O projeto “piloto”, que prevê a atuação de policiais militares da reserva nos setores administrativo das escolas estaduais, teria início pela escola Raul Brasil.

O prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PR), anunciou na manhã, desta quinta-feira (14), durante velório coletivo das vítimas do massacre contra a Escola Raul Brasil, pacote de ações de segurança que está propondo e já conversando com os governos estadual e federal, para implementar na cidade.

O projeto “piloto”, que prevê a atuação de policiais militares da reserva nos setores administrativo das escolas estaduais, teria início pela escola Raul Brasil.

“A educação não é só do município, do Estado ou da federação. É da cidade. Temos de estar unidos para tirar um ação e um ensinamento de tudo isso que aconteceu”, afirmou o prefeito.

Ashiuchi afirmou que conversou com o governador João Doria (PSDB) e com o ministro da Educação, Ricardo Vélez (este último esteve no velório das vítimas, nesta manhã), para tentar emplacar as medidas. “São ações em conjunto que podemos fazer”, disse.

Ashiuchi disse também que haverá projeto para preparar psicologicamente as famílias das vítimas e também do entorno da escola.

“Vamos dar acolhimento total na voltas às aulas na rede como um todo”, disse.

Segundo ele, os policiais da reserva ajudariam na parte administrativa, não pedagógica. Esses PMs receberiam um ajuda financeira, ainda a ser definida. “Seria via parceria entre município, Estado e União ou por meio de parceria público privada para que atuem nas escolas”, acrescentou.

Interrogado sobre o prazo, o prefeito afirmou que se “depender dele começa no mês que vem”.

“São ações, mas sabemos que o problema vai além de tudo isso”, disse. O prefeito afirmou também que outra ideia é reforçar o monitoramento nas escolas.

Ashiuchi disse que o momento é muito difícil. “Esta noite (13 de fevereiro) sai de madrugada. Nem consegui dormir. Várias famílias, pais e famílias brasileiras também não conseguiu dormir”, disse o prefeito.

“Minha família é da área de educação. Foi um episódio fora da curva, ninguém imagina, mas aconteceu infelizmente”, lamentou.

Com Informações: Diário de Suzano

Fechar Menu