Artesp admite possibilidade de duas alças de saída do Rodoanel
Alça de acesso na Estrada dos Fernandes é uma das opções do Estado para Suzano Foto: Sabrina Silva/Divulgação

Artesp admite possibilidade de duas alças de saída do Rodoanel

Dois projetos seguem em avaliação, sendo um na Estrada dos Fernandes e outro na Av. Major Pinheiro Fróes. Segundo o órgão, os dois projetos estão em processo de licenciamento e ambos devem ser apresentados ao governo do Estado para a aprovação e escolha definitiva do local de construção da alça de acesso. 

A Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp) admitiu que segue estudando os dois projetos da alça de acesso do Trecho Leste do Rodoanel Mário Covas (SP-21), sendo um na Estrada dos Fernandes, no bairro Chacará Sete Cruzes e outro na Avenida Major Pinheiro Fróes (SP-66). O assunto é polêmico. A alça de acesso seria instalada na SP-66 após três anos de estudos focados na Estrada dos Fernandes.
Segundo o órgão, os dois projetos estão em processo de licenciamento e ambos devem ser apresentados ao governo do Estado para a aprovação e escolha definitiva do local de construção da alça de acesso. A Artesp ainda afirmou que a ligação do complexo viário na SP-66 segue a ideia inicial proposta em 2011 e que foi retomada em maio do ano passado pelos prefeitos que compõem o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), que defenderam, junto com o ex-governador Márcio França (PSB) a redução de custos de implantação e maior desenvolvimento da região.
“Mesmo com a retomada do projeto da alça da SP 66, o acesso para a Estrada dos Fernandes não foi descartado. Por questões de licenciamento ambiental, o cronograma foi alterado, mas continua em processo para o completo licenciamento da obra”, garante.
Desde a retomada do projeto inicial, a Artesp vem trabalhando junto à concessionária SPMar para revisar e atualizar o projeto inicial de 2011 e adianta que o cronograma e orçamento das obras só poderão ser definidos após a realização das avaliações dos projetos.
“Atualmente a área apresenta novas condições, inclusive de urbanização e, diante disso, requer novos estudos de viabilidade. Feitas as adequações necessárias, a concessionária poderá seguir com as aprovações dos projetos funcionais e executivos, verificando as desapropriações que serão incluídas e a necessária revisão do licenciamento ambiental”.
Para o presidente da Associação dos Corretores de Imóveis de Suzano (Acoris), Ademilson Bernardes, o projeto que prevê a implantação da alça na Estrada dos Fernandes é o mais viável, principalmente no quesito de impacto de mobilidade. Segundo Bernardes, as desapropriações feitas no Av. Major Pinheiro Fróes podem custar muito mais para o Estado.
Observando pelo lado imobiliário, Bernardes acredita que a região da Chácara Sete Cruzes é mais propensa a receber novos pólos industriais, tendo em vista a alça no local. “Essa região (Chácara Sete Cruzes), para o setor imobiliário e para a cidade, seria muito melhor porque poderemos criar naquela região pólos industriais e atrair indústrias de baixo impacto ambiental”, conta.
Com Informações: Diário de Suzano
Fechar Menu