Após 19 anos, o Buxixo decide fechar as portas em Mogi das Cruzes
Foto: O Diário

Após 19 anos, o Buxixo decide fechar as portas em Mogi das Cruzes

Após a volta à fase amarela do Plano SP, proprietários decidem passar o ponto da casa noturna referência na cena do rock regional

Uma das casas noturnas mais antigas de Mogi das Cruzes, o Buxixo, está passando o ponto no conhecido endereço da Avenida Capitão Manoel Rudge, 1708. Depois de abrir durante uma semana, a volta à fase amarela do Plano SP de Retomada Econômica pesou na decisão dos proprietários em desativar o ponto conhecido por alimentar a cena do rock regional, além de outros gêneros musicais, ao longo de praticamente duas décadas.

O Buxixo cativou clientela local e regional, com uma oferta de bandas e atrações musicais. Localizado na Praça Norival Tavares, também funcionou como âncora para a instalação de outras casas noturnas, restaurantes e pizzarias.

No comunicado aos clientes, os representantes da casa esclarecem que fizeram “o possível para sobreviver no período de isolamento e ainda mais na reabertura das atividades com o propósito de continuar sendo referência em entretenimento em Mogi das Cruzes, mas infelizmente as restrições da fase amarela, vigentes novamente desde 30/11, fizeram com que” os proprietários optassem por “fechar novamente”.

A desativação ocorre logo após o Buxixo oferecer cinco shows em novembro. Era uma retomada inicial, que foi afetada pelo Plano SP.

Desde março, por causa da pandemia da Covid-19, o local suspendeu todas as atividades. “Fizemos apenas cinco shows desde o retorno, isso afetou muito nossas contas, e hoje não conseguimos enxergar uma forma de sobreviver com o modelo de negócio que temos. Por isso, estamos oficialmente passando o ponto”.

Além de oferecer o local para algum outro grupo interessado comprar o espaço, a equipe do Buxixo deixa “o nosso mais profundo agradecimento a todos os clientes, parceiros, fornecedores, colaboradores e amigos que fizeram parte da nossa história nesses 19 anos. Vocês estão em nosso coração e viverão para sempre em nossa memória. Que o mundo melhore e todos possam viver novas aventuras por aí”.

Restaurantes e casas noturnas foram duramente afetados desde março, com a pandemia, e as restrições para o recebimento do público, sem promover aglomerações, e elevar as chances de contaminação de frequentadores e trabalhadores.

Desde a segunda-feira, com a validação da Fase Amarela, pelo Plano São Paulo, a limitação do horário de funcionamento dos estabelecimentos até 23 horas, voltou a interferir neste setor econômico. E isso acontece justamente em um momento do ano que essas casas conseguiam se capitalizar por causa dos encontros e festas de final de ano.

A reportagem tenta contato com representantes da casa noturna.

Com Informações: O Diário

Fechar Menu