Ameaça lidera ranking de casos mais registrados pela DDM de Suzano

Em segundo lugar vem violência física, com 247 casos. Na terceira posição está calúnia e injúria

Ameaça lidera o ranking dos dados estatísticos de 2018 da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Suzano, que completou três anos de atividades na semana passada.
Até o dia 26 de julho, foram registrados 300 casos. Em seguida vem violência física, com 247 casos. Na terceira posição está calúnia e injúria, tendo contabilizado 136 casos. Os dados são deste ano. Outros crimes, como estupro e dano ou furto, computaram 42 e 10 casos, respectivamente. Destaque também para tentativa de feminicidio, que foram notificados três ocorrências.
Dos 300 casos de ameaça neste ano, o mês que teve maior número de registro do crime foi março, com 60. Na sequência vem janeiro, com 49. Fevereiro e junho tiveram diferença mínima, tendo contabilizado 45 e 44, respectivamente. A mesma situação ocorreu entre abril (39) e maio (38). Julho ficou na última colocação, com 25 casos de ameaça.
A delegada titular da DDM de Suzano, Silmara Marcelino, avaliou os dados e disse que a realidade do número de casos é maior.  “300 casos parece bastante, mas não chega a ser muito, pois muitas mulheres ainda não vem a delegacia para denunciar. A realidade é maior. A questão psicológica acontece com mais frequência em comparação com agressões físicas”, explicou.
Ela ainda frisou que a tendência é aumentar o número de casos ao longo do 2º semestre e nos próximos anos. “A perspectiva é aumentar, não excessivamente, pois as pessoas vão tomando conhecimento do serviço da delegacia e vem denunciar”, completou.
Ações
Durante este ano, a DDM registrou 867 Boletins de Ocorrência (B.O.s), 591 inquéritos policial, realizou 289 medidas protetivas, além de 12 mandados preventivos ou temporários e 10 flagrantes.
Delegacia
A DDM está localizada na Rua Presidente Nereu Ramos, 302.  A unidade funciona das 9 às 19 horas, de segunda a sexta-feira. Aos finais de semana, feriados e período noturno, as mulheres vítimas de violência devem pedir auxílio na delegacia Central.
Com Informações: Diário de Suzano
Fechar Menu