32º Batalhão defende fechamento de bares às 23h para reduzir crimes
Foto: Sabrina Silva/Divulgação

32º Batalhão defende fechamento de bares às 23h para reduzir crimes

Criminosos agem com mais facilidade à noite. PM também destacou que os ladrões ficam mais “ferozes”

O 32° Batalhão de Polícia Militar Metropolitana ( 32º BPM/M), responsável pelo policiamento em Suzano, Poá e Ferraz de Vasconcelos, defende o fechamento de bares às 23 horas para reduzir a criminalidade.
Segundo o comandante interino do 32º BPM/M, major Caruso Roberto, os criminosos agem com mais facilidade à noite. Ele também destacou que, no período noturno, os ladrões ficam mais “ferozes” por causa da venda e uso de droga. “Escureceu é mais fácil deles atuarem. Se tiver menos pessoas nas ruas, com certeza o índice de criminalidade cai. O tráfico e uso de droga também complica muito”, explicou.
O comandante interino disse que na região – as três cidades que atendem – o crime com mais demanda é o de “roubos outros”, que envolve roubo a pessoas, comércio e residência, além de roubos a veículos. “Apesar desses crimes serem os principais, estamos reduzindo a criminalidade há sete anos entre os meses de janeiro e setembro. No momento, os dados estão sendo levantados, mas posso dizer que diminuiu pela metade com o trabalho que a Polícia Militar vem desempenhando”, frisou o major Caruso.
Caso
Um caso que envolve bares e criminalidade ocorre na Rua Nove de Julho, Centro de Suzano. Conforme publicado pelo DS em outubro, a Controladoria Geral de Suzano enviou ofício às polícias Civil e Militar e à Justiça sobre as queixas de barulho excessivo, consumo de drogas ao ar livre e cenas de sexo no local. Segundo a Prefeitura, assim que os órgãos enviarem as respostas, “ações serão desencadeadas, dentro da legislação vigente”.
A Rua Nove de Julho é uma das mais frequentadas pelo suzanense e morador do Alto Tietê, em busca de local diferente para um programa familiar ou bate-papo com amigos. Por isto, a via concentra uma grande quantidade de bares, hamburguerias, entre outros empreendimentos gastronômicos.
E esse fator, ao invés de ser positivo para a valorização dos imóveis da região, vem se tornando uma verdadeira dor de cabeça aos moradores. O barulho excessivo e o consumo de drogas são as principais queixas. Em terceiro, vem cenas de sexo em locais inapropriados.
Moradores tentaram minimizar estes problemas conversando com donos de bares e frequentadores, sobretudo, as respostas foram negativas.
Com Informações: Diário de Suzano
Fechar Menu